Aqua Rio

saiba tudo sobre a nova atração do AquaRio – AquaRio

Por Isadora Ortiz e Ian Boullosa Gonzaga

Do que são feitas as Águas-Vivas?

Sem cérebro, sangue ou mesmo coração, as Águas-Vivas são criaturas bem simples, além disso, seu nome não é atoa, pois cerca de 98% deste animal é formado de água.

Seu corpo é constituído de três camadas: uma externa, chamada de epiderme; uma interna chamada gastroderme e uma intermediária, que separa a epiderme da gastroderme, feita de uma substância espessa, elástica e gelatinosa chamada mesogleia. Como a mesogleia tem principalmente água em sua composição, esta é a principal razão pela qual as águas-Vivas são transparentes e com um aspecto gelatinoso.

O sistema nervoso desses animais é bastante elementar, na verdade, configura-se como uma rede nervosa, que permite a detecção de luz e resposta a outros estímulos. Já a sua cavidade digestiva apresenta uma única abertura para a boca e o ânus, por onde o alimento será ingerido e, ao mesmo tempo, irá excretar seus resíduos, por isso, o sistema digestivo destes animais é do tipo incompleto, ao contrário de nós, seres humanos, que possuímos um sistema digestivo completo, com duas aberturas.

Esses invertebrados são membros do Filo dos Cnidários, que inclui animais como as Anêmonas e os Corais. Como todo Cnidário, as Águas-Vivas possuem, em seus tentáculos, células especiais, chamadas de Cnidócitos que irão produzir uma substância urticante que dá a sensação de queimadura. Embora a gravidade das queimaduras varie, em humanos, a maioria resulta apenas em um pequeno desconforto.

Um outro fato interessante deste animal é que, em seu desenvolvimento, apresentam o que chamamos de “alternância de gerações”. Isso significa que em determinado estágio de sua vida, irá possuir hábitos e formas bastante diferentes. No caso, passarão por uma fase de Pólipo, organismos sésseis que podem viver em colônias e, após um determinado tempo, mudarão para a fase de Medusa, onde as águas-Vivas se enquadram, já sendo adaptados à vida planctônica, movendo-se basicamente à mercê das correntes marítimas, lentamente a partir da propulsão de seu corpo . Muito louco, não é?!

O que elas comem e quem as come?

As Águas-Vivas podem comer peixes, camarões, caranguejos e até mesmo possuir microalgas vivendo em seus tecidos, fornecendo-lhes nutrientes a partir da fotossíntese. Geralmente são animais que irão capturar suas presas com o auxílio de seus tentáculos, mediante a utilização de suas substâncias urticantes.

As Tartarugas Marinhas, por exemplo, apreciam alimentar-se das Águas-Vivas. Os chineses, por sua vez, pescam estes animais há 1.700 anos. Elas são consideradas uma iguaria e são usadas ​​na medicina chinesa.

Como ocorre a reprodução de águas-vivas?

Já se perguntou como que nasce uma água-viva? Como é a sua reprodução e o que elas comem? O time de Biologia aqui do AquaRio contam como é esse trabalho. Assista e confira

As Águas-Vivas podem matar?

As queimaduras de Águas-Vivas podem ser dolorosas para os humanos e, para certas espécies, podem até ser mortais. Embora essas magníficas criaturas marinhas não ataquem humanos de propósito, a maioria dos casos ocorrem quando as pessoas tocam acidentalmente uma água-viva.

O espaço das Águas-Vivas no AquaRio:

Foto: AquaRio

Aqui no AquaRio temos um novo espaço dedicado a estes animais marinhos, onde você poderá encontrar dois aquários, vendo não só as Águas-Vivas, mas também percebendo como o plástico pode confundir o principal predador desses animais: a Tartaruga Marinha.

É estimado que, em média, 3 Tartarugas morrem por dia por ingestão de plástico, isso acontece pelo fato de que as famosas sacolas plásticas, quando lançadas nos oceanos, assemelham-se muito com as Águas-Vivas, fazendo com que as Tartarugas Marinhas não percebam esta diferença.

Sendo assim, vem pro AquaRio para ver se você consegue perceber esta diferença e encontrar o aquário de sacolas plásticas e o aquário de águas-Vivas!

E aí, curtiu? Quer ver essa espécie de perto? #VemProAquaRio

Fontes:

Nationa Geographic e Nationa Ocean Service


Aqua Rio

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo